Zoossanitária

Zoossanitária

Zoossanitária
  1. Atendimento a solicitações referentes a animais sinantrópicos através de visitas, avaliação do local, orientações e coleta de espécimes e amostras, quando existentes. As amostras são enviadas a instituições especializadas para identificação e/ou exames.

Animais sinantrópicos  são aqueles que se adaptaram a viver junto ao homem, mesmo contra da vontade deste, interagindo de forma negativa, causando transtornos ambientais, econômicos ou à saúde pública. Podem ser peçonhentos ou incômodos e transmissores de doenças. Ex.: roedores, pombos, cobras, escorpiões, etc.

Os animais peçonhentos são aqueles que além de venenoso, possuem um mecanismo especializado para inoculação, peçonha ou ferrão, que é utilizado como arma de caça ou defesa. Ex.: escorpião, lacraia, serpentes.

É necessário conhecer o que serve de alimento e abrigo para cada espécie que se pretende controlar e adotar medidas preventivas, de forma a alcançar esse controle, mantendo os ambientes mais saudáveis e seguros.

 

  1. Atendimento de agravos a saúde em casos de suspeita ou confirmados de doenças zoonóticas, visando a orientação e correção do ambiente.

 

  1. Execução de Programas de Leishmaniose, Raiva, Febre Amarela e Febre Maculosa.

 

ANIMAIS DE INTERESSE EM SAÚDE PÚBLICA:

 

ARANHAS:

            Aranhas são artrópodes que possuem hábitos diurnos e noturnos. São carnívoras e sua dieta inclui insetos como: moscas, mosquitos, grilos, gafanhotos e, nas cidades, principalmente, baratas.

            Apesar de poucas aranhas possuírem a capacidade de intoxicar o homem, todas são venenosas.  Utilizam-se de garras para segurar, picar e triturar a presa. Na ponta das garras ficam duas estruturas semelhantes a seringas, ocas e pontiagudas, usadas para picar o corpo da presa e injetar o veneno, que é produzido em glândulas especiais.       

            As aranhas de maior relevância em acidentes envolvendo humanos são armadeira, aranha-marrom e viúva-negra. Dependendo da espécie a picada pode provocar dor local, edema, necrose, sintomas neurológicos e edema pulmonar. A intensidade dos sintomas depende da idade e estado imunológico da vítima.

 

CARAMUJOS:

            Embora o termo caramujo tenha se popularizado, o “caramujo-gigante-africano” trata-se, na verdade, de um caracol, uma vez que não possui hábitos de água doce. São moluscos com atividades preferencialmente noturnas e podem ser transmissores de meningites aos seres humanos.

            Possuem corpo cinza-escuro e carapaça cônica com coloração marrom e listras. Podem pesar 200 gramas e chegar a 20 cm de tamanho. São hermafroditas (apresenta ambos os sexos) com fecundação cruzada e fazem de 4 a 5 posturas ao ano, com 50 a 400 ovos em cada uma. Os ovos são pequenos, amarelados e arredondados e ficam enterrados próximo à superfície.

           

 

CARRAPATOS:

            Os carrapatos são artrópodes ectoparasitas (parasitas externos), ou seja, vivem na superfície do corpo de um hospedeiro (animais domésticos, animais silvestres e o homem) e são também hematófagos, ou seja, se alimentam do sangue de seus hospedeiros. Além do incômodo e coceira, podem transmitir doenças.

            Possuem três fases de vida: larva, ninfa e adulto. Além disso, existem diferenças anatômicas entre machos e fêmeas, sendo que essas podem colocar milhares de ovos.

             As principais espécies de relevância à saúde pública e de animais são:

            Rhipicephalus sanguineus é o responsável pela “doença do carrapato” nos cães (erliquiose).

            Rhipicephalus (Boophilus) microplus é o responsável pela tristeza parasitária bovina (babesiose e anaplasmose).

            Amblyomma spp é o responsável pela febre maculosa e doença de Lyme em humanos.

 

 

ESCORPIÕES:

            São animais artrópodes de hábito noturno que caçam insetos, sendo a barata seu principal alimento na cidade. Abrigam-se em locais sombreados e vivem de 3 a 4 anos.

            Os escorpiões não botam ovos, os filhotes nascem parecidos com os adultos, geralmente 15 a 20 filhotes por ninhada sendo que não há machos do escorpião amarelo (reproduzem-se por partenogênese).

            Seu veneno é neurotóxico, causa complicações principalmente em crianças com idade inferior a 10 anos e idosos.

Orientações sobre escorpiões

 

LACRAIAS:

                        São animais caçadores noturnos muito rápidos e têm o corpo adaptado para penetrar em frestas, onde se escondem durante o dia. Podem medir até 23cm e se alimentam de insetos, lagartixas e minhocas.

            Têm o corpo achatado formado por 21 segmentos, cada um com um par de patas pontiagudas. Embaixo da sua cabeça ficam os ferrões venenosos que também funcionam como pinças.

 

 

LAGARTAS:

            As lagartas têm o corpo coberto de pelos ou espinhos. Em casos de acidentes desenvolvem dermatite urticante e, se a lagarta for do gênero Lonomia sp, desenvolve síndrome hemorrágica.

            Existem lagartas desprovidas de pelos ou espinhos e que não tem interesse toxicológico.

            Vivem durante o dia agrupadas nos troncos de árvores, onde causam acidentes em contato com seus pelos ou espinhos. Permanecem nas plantas por 1 a 2 meses.

 

 

MORCEGOS:

            São os únicos mamíferos que voam. Gestação dura de 2 a 7 meses, dependendo da espécie .

            São classificados de acordo com seu hábito alimentar em:

- insetívoros alimentam-se de insetos (mosquitos, mariposas, besouros, baratas e outros), capturando-os  em  pleno vôo;

- polinívoros/nectarívoros, alimentam-se de néctar, pólen e, às vezes de parte florais;

- frugívoros, alimentam-se basicamente de frutas;

- carnívoros, alimentam-se de peixes, rãs, camundongos,  aves  e  outros   morcegos;

- piscívoros, alimentam-se principalmente de peixes, mas inclui também em sua dieta crustáceos e insetos;

- hematófagos, alimentam-se exclusivamente de sangue.

            Todos os morcegos podem adquirir e transmitir doenças para o homem e outros animais.

            A doença mais importante que pode ser transmitida pelos morcegos é a raiva, uma encefalite viral com quase 100% de letalidade. A partir de suas fezes pode transmitir histoplasmse.

Orientações sobre morcegos

 

POMBOS:

            Na natureza vive entre 15 e 30 anos e nas cidades entre 3 e 5 anos. Formam casais por toda a vida e têm entre 5 e 6 ninhadas por ano, cada uma com até 2 filhotes. Os ovos são chocados por 17 a 19 dias. Os filhotes tornam-se adultos entre os 6 e 8 meses de idade.

            Utilizam lugares altos como abrigo e ponto de observação.

            Através de suas fezes podem ser transmissores de doenças como criptococose, histoplasmose e salmonelose; e através de ácaros habitantes de suas penas podem causar dermatites e alergias respiratórias.

Orientações sobre pombos

 

ROEDORES:

            A principal característica é a presença de dentes incisivos proeminentes que crescem continuamente.

            Os roedores vivem em qualquer ambiente terrestre que lhes dê condições de sobrevivência. São onívoros, ou seja, alimentam-se de todo tipo de alimento. Podem nadar, escalar e cavar.

            Gestação de 19 a 24 dias,  podem ter de 7 a 12 filhotes e até 12 ninhadas por ano. Formam colônias.

            Transmissor de leptospirose, hantavirose, salmonelose, peste e tifo.

 

 

SERPENTES:

            São animais vertebrados, carnívoros, pertencentes ao grupo dos répteis. Não possuem patas, pálpebras e ouvido externo. Possuem língua bífida e pele recoberta por escamas.

            Algumas espécies são peçonhentas e outras não oferecem risco aos seres humanos.

            Existem espécies de serpentes vivíparas, que parem seus filhotes, e outras, ovíparas, que colocam ovos.

            As serpentes possuem diferentes tipos de dentição.

            Dependendo do tipo de serpente o veneno pode ter ação neurológica, hemorrágica, coagulante, miotóxica, coagulante e inflamatória.

CLIQUE AQUI PARA MAIORES INFORMAÇÕES: Cartilha Zoossanitária