Tuberculose

Tuberculose

Prevenção e importância do tratamento da doença

Características gerais

Infecção e transmissão transmissível, causada pelo Mycobacterium tuberculosis , que afeta prioritariamente os pulmões, mas pode afetar outros órgãos e sistemas.

 

Agente etiológico

Uma tuberculose pode ser causada por qualquer uma das sete espécies que integram o complexo Mycobacterium tuberculosis , uma espécie mais importante é o M. tuberculosis .

O M. tuberculosis (também conhecido como bacilo de Koch) e um bacilo álcool-ácido resistente (BAAR). E parasita intracelular aeróbio. Não produz toxinas incluídas. Sua multiplicação e lenta e apresenta números antigos na sua superfície.

 

 

Reservatório

O principal reservatório e o homem.

Em alguns locais, o M. bovis assume o papel de principal agente etiológico causador da tuberculose e apresenta-se de forma idêntica ao M. tuberculosis, com maior frequência na forma ganglionar e outras extrapulmonares. A ocorrência é mais frequente em comunidades que consomem leite e derivados não pasteurizados ou fervidos de rebanho bovino infectado, em pacientes que residem em áreas rurais e profissionais do campo (veterinários, ordenadores, funcionários de matadouros, entre outros). Uma vez confirmada a contaminação humana, os serviços de vigilância sanitária devem ser informados imediatamente, para atuar na identificação precoce das fontes de infecção e no controle de infecção, prevenindo assim a ocorrência de novos casos.

Modo de transmissão

A tuberculose e uma doença de transmissão aérea: ocorre a partir da inalação de aerossóis, produzidos pela tosse, espirro ou fala de doentes com tuberculose de vias aéreas (tuberculose pulmonar ou laríngea). Somente pessoas com tuberculose ativa transmite a doença.

Os casos baculíferos, ou seja, que tem baciloscopia de escarro (exame de microscopia que permite a visualização de bacilos diretamente no escarro) positivo são os principais responsáveis pela manutenção da cadeia de transmissão. Durante um ano, numa comunidade, uma pessoa com baciloscopia de escarro positiva infecta, em geral, de 10 a 15 pessoas.

Bacilos que se depositam em roupas, lençóis, copos e outros objetos dificilmente se dispersam em aerossóis e, por isso, não desempenham papel importante na transmissão da doença.

 

Período de transmissibilidade

A transmissão e plena enquanto o indivíduo estiver eliminando bacilos no escarro, principalmente quando tem baciloscopia de escarro positiva.

Com o início do esquema terapêutico adequado, a transmissão tende a diminuir gradativamente e, em geral, após 15 dias de tratamento chega a níveis insignificantes.

Crianças com tuberculose pulmonar geralmente são negativas a baciloscopia e, por isso, costumam ter pouca participação na transmissão da doença.

Manifestações clínicas

A forma pulmonar, além de ser mais frequente (85,5% dos casos novos de tuberculose), e também a mais relevante para a saúde pública, especialmente a positiva para a

baciloscopia, pois é a principal responsável pela manutenção da cadeia de transmissão da doença.

Tuberculose pulmonar

Em adolescentes e adultos jovens, o principal sintoma é a tosse (seca ou produtiva, com expectoração purulenta ou mucoide, com ou sem sangue). Recomenda-se que todo sintomático respiratório – pessoa com tosse por 3 semanas ou mais – seja investigado para a tuberculose.

Outros sinais e sintomas comuns da tuberculose pulmonar são febre vespertina (em geral, até 38,5°C), sudorese noturna, anorexia (perda de apetite) e emagrecimento. A ausculta pulmonar pode apresentar diminuição do murmúrio vesicular, sopro anfórico ou mesmo ser normal. Indivíduos em bom estado geral e sem perda do apetite também podem ter tuberculose pulmonar.

 

Em crianças menores de 10 anos, as manifestações clinicas podem variar. A forma pulmonar costuma ser negativa ao exame bacteriológico, pelo reduzido número de bacilos nas lesões.

Além disso, crianças, em geral, não são capazes de expectorar. O achado clinico que se destaca na maioria dos casos é a febre, habitualmente moderada, por 15 dias ou mais e frequentemente vespertina. São comuns irritabilidade, tosse, inapetência, perda de peso e sudorese noturna, as vezes profusa. A hemoptise (sangue no escarro) é rara. O exame físico pode ser inexpressivo. Há predomínio da localização pulmonar sobre as extrapulmonares.

Diagnóstico laboratorial

Diagnóstico bacteriológico

Exame microscopico direto – baciloscopia direta

A pesquisa do bacilo álcool-ácido resistente (BAAR), pelo método de Ziehl-Nielsen,

e a técnica mais utilizada. A baciloscopia do escarro, quando executada corretamente, permite detectar a maioria dos casos pulmonares.

Tratamento

Trata-se de uma doença curável em praticamente todos os casos novos, sensíveis aos medicamentos antituberculose, desde que obedecidos os princípios básicos da terapia medicamentosa (associação medicamentosa adequada, doses corretas e uso por tempo suficiente) e a correta operacionalização do tratamento.

 

Tratamento diretamente observado (TDO)

O TDO consiste na observação diária da ingestão dos medicamentos antituberculose por um profissional capacitado da equipe de saúde, por, no mínimo, 3 observações semanais do início ao fim.

Busca ativa de sintomáticos respiratórios

Atividade com objetivo de identificar precocemente pessoas com tosse por tempo igual ou superior a 3 semanas – sintomático respiratório –, visando identificar precocemente os casos, iniciar o tratamento oportunamente e assim quebrar a cadeia de transmissão.

A busca de sintomático respiratório deve ser realizada permanentemente por todos os serviços de saúde (níveis primário, secundário e terciário) e tem sido uma estratégia recomendada internacionalmente.

 

Acompanhamento

Uma vez confirmado o diagnóstico, o caso de tuberculose deve ser acompanhado até o seu encerramento.

 

Investigação de contatos

A investigação de contatos e de fundamental importância para controle da doença,uma vez que, por meio dessa investigação, e possível identificar os casos de tuberculose ativa, iniciar precocemente o tratamento e quebrar a cadeia de transmissão da doença.

 

Em São José dos Campos todas as pessoas com 3 semanas ou mais de tosse, devem procurar a UBS mais próxima de sua residência para colher o exame de escarro e desta forma poder detectar precocemente os casos de tuberculose.