Museu Vivo com bordado, tapioca e a dupla Silvio e Silvinho
Atualizado em 07/03/2020 - 15:56
Fundação Cultural Cassiano Ricardo
A dupla Silvio (à direita) e Silvinho participará da edição do Museu Vivo deste domingo no Museu do Folclore - Foto: Divulgação - Foto: PMSJC

Avelino Israel
Fundação Cultural Cassiano Ricardo

O bordado volta a ser um dos saberes compartilhados durante o Museu Vivo deste domingo (8), no Museu do Folclore de São José dos Campos. Este tipo de artesanato será mostrado por Inês da Graça Moraes Pereira, de Redenção da Serra. Aos seis anos de idade já tinha interesse em aprender o que, hoje, faz com muita sabedoria.

“Eu ficava olhando minha mãe bordar e foi com ela que aprendi várias técnicas, como ponto atrás, corrente e cheio”, diz Inês da Graça. Depois que se aposentou ela passou a se dedicar mais ao bordado. “Antes não dava, pois eu precisava trabalhar”. Inês veio para São José aos 18 anos em busca de emprego, tendo trabalhado na indústria e no funcionalismo público.

Na área da culinária, a baiana Joana Cavalcante vai compartilhar com o público sua maneira de fazer tapioca, iguaria que já caiu no gosto de muitas pessoas, principalmente no café da manhã. Sua sabedoria vem da família, que tinha plantação de mandioca onde moravam e comiam muita tapioca. “Eu ajudava meu pai na casa da farinha, descascando, lavando e secando a raiz para chegar ao polvilho”, conta Joana.

A música, neste dia, ficará a cargo da dupla Silvio e Silvinho, formada pelo veterano Benedito Braz da Silva e o filho Abimael. Nascido em Paraibuna, Silva viveu grande parte da sua vida no Sul de Minas. Conta que quando morava na roça, com a família, ouvia rádio e aprendeu a copiar os ritmos e letras das músicas. “Eu sou do tempo de Tonico e Tinoco, Jacó e Jacozinho e tantos outros. Eles me inspiraram a aprender a tocar viola”, explica.

Programa

O programa Museu Vivo é realizado pelo Museu do Folclore aos domingos à tarde, das 14h às 17h, reunindo representantes da cultura popular nas áreas do artesanato, culinária e música. A atividade é aberta ao público que, neste horário, também pode visitar a exposição de longa duração do museu.

No mesmo local, o público também pode apreciar a exposição temporária Território de Sonhos e Lembranças, com trabalhos da bordadeira e artista popular Therezinha Mariano Pinheiro, a Dona Thereza da Pousada do Vale. A mostra foi aberta no dia 1º de março e poderá ser visitada até o final de maio.  

O Museu do Folclore foi criado em 1987 pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo e, atualmente, sua gestão é feita pelo Centro de Estudos da Cultura Popular (CECP), organização da sociedade civil sem fins lucrativos, constituída em 1999.

Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100, Parque da Cidade – Santana

(12) 3924-7318 – www.museudofolclore.org


MAIS NOTÍCIAS
Fundação Cultural Cassiano Ricardo