Fundo Social qualifica joseenses para o mercado de trabalho
Atualizado em 08/10/2019 - 15:03
Formatura do curso de qualificação do Fundo Social. Foto: Claudio Vieira/PMSJC. 07-10-2019
Vânia Santos Bezerra Morais, que recebeu o certificado do curso de Panificação Artesanal, conta sua experiência como uma nova comerciante - Foto: Claudio Vieira/PMSJC

Bianca de Aquino
Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Esta semana pode ser o início de um novo e bom capítulo na história de 103 joseenses. Com seus certificados de capacitação em mãos, nas áreas de Padaria Artesanal, Designer de Sobrancelhas e Corte e Costura, muitos já começam a gerar rendas e a proporcionar melhores condições de vida às suas famílias.

Vânia Santos Bezerra Morais, de 37 anos, está entre essas pessoas beneficiadas pela ação do Fundo Social de Solidariedade de São José dos Campos. Ao lado de seu filho mais velho, Matheus, de 17 anos, resolveu fazer o curso de Panificação Artesanal. “Com as técnicas que aprendi, faço mini sonhos, pães integrais e recheados e roscas e já consigo lucrar com esses produtos”, disse.

Mais do que a geração de renda, a qualificação também ajudou na saúde de dona Vânia, tirando-a de uma depressão. “Encontrei nesse curso uma grande motivação na vida. Vou me profissionalizar ao máximo e, assim, garantir os estudos dos meus três filhos”, afirmou Vânia.

Desde 2017, mais de 2.700 pessoas foram capacitadas em diversos cursos de qualificação. O objetivo do Fundo Social, por meio das entidades parceiras, é valorizar e aumentar a autoestima das pessoas que estão em vulnerabilidade social, fazendo-as acreditar que o trabalho tem poder transformador na sociedade.

Mais conhecimento, mais oportunidade

Além de receber os certificados, os participantes tiveram a oportunidade de aprender ainda mais com técnicos da Sala do Empreendedor da Prefeitura. Durante uma palestra, eles tiveram noções sobre MEI (Microempreendedor Individual), cursos disponíveis pelo Sebrae, linhas especiais de crédito (sem juros e correção) e de ferramentas acessíveis que podem ajudá-los a mudar suas realidades.

Ao contrário da média nacional, que gira em torno de 35% a 50% o número de empresas que morrem antes de completar um ano, em São José dos Campos, essa taxa cai para apenas 10%. Com esse cenário local positivo e com mais conhecimentos, os recém-formados iniciam um novo ciclo com mais esperanças e oportunidades.


MAIS NOTÍCIAS
Fundação Cultural Cassiano Ricardo