Museu do Folclore realiza último Museu Vivo do mês
Atualizado em 26/07/2019 - 18:21
Fundação Cultural Cassiano Ricardo
Zé da Viola volta a compartilhar o seu saber no programa Museu Vivo deste domingo - Foto: Divulgação/MFSJC - Foto: PMSJC

Avelino Israel
Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Compartilhar saberes, conhecimentos, sobre a cultura popular regional. Esta é a essência do Museu Vivo, programa realizado pelo Museu do Folclore de São José dos Campos, todo domingo à tarde (das 14h às 17h), no Parque da Cidade, em Santana (região norte). O encontro é aberto ao público e reúne, na área externa do museu, representantes desta sabedoria, nas áreas de artesanato, culinária e música.

Os convidados para este domingo (28) são o violeiro José Soares da Silva (música), mais conhecido como Zé da Viola, Dulcinéia da Silva (culinária) e Cibele Aparecida Granato (artesanato). Os três já participaram de outras edições do Museu Vivo e sabem o quanto a atividade é importante para disseminar a cultura popular.

Zé da Viola, 80 anos, é joseense e seu aprendizado aconteceu naturalmente, pois acompanhava o pai que tocava nos grupos de Folia de Reis, Catira e Dança de São Gonçalo. Com 14 anos de idade criou sua primeira dupla com o irmão Edgar. Foi só aos 16 que aprendeu o nome das notas musicais que tocava na viola. Depois disso, passou a compor as próprias músicas e não parou mais.

A mineira Dulcinéia, 66 anos, dessa vez vai fazer bolinho caipira, iguaria que conheceu quando veio para São José dos Campos, há mais de 40 anos. “Eu trabalhava numa igreja e foi lá, durante uma festa, que conheci o bolinho caipira e aprendi a fazer”, conta Dulcinéia. Diferente de outras receitas, ela não faz o bolinho com a carne crua. “Eu tempero e cozinho a carne antes de fritar o bolinho”.

A também joseense Cibele Aparecida Granato, 42 anos, fará flores com meias de seda. Ela conta que, assim como outros objetos que aprendeu a fazer, estes também foram feitos com muita dedicação. “Eu comecei a gostar de artesanato ainda na adolescência e, desde então, procuro aprender sempre alguma coisa nova”, ressalta Cibele. 

Gestão

Além do Museu Vivo, o Museu do Folclore realiza muitos outros projetos e programas durante o ano. Também mantém aberta (de terça a domingo) uma exposição de longa duração, uma biblioteca especializada em cultura popular e uma brinquedoteca de brinquedos populares.

O Museu do Folclore foi criado pela Fundação Cultural em 1987 e, atualmente, é gerido pelo Centro de Estudos da Cultura Popular (CECP), organização da sociedade civil sem fins lucrativos.

Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100 – Parque da Cidade – Santana

(12) 3924-7318 – www.museudofolclore.org.br


MAIS NOTÍCIAS
Fundação Cultural Cassiano Ricardo