No Festival de Pipas do Cerejeiras, adultos relembram infância
Atualizado em 24/07/2019 - 14:26
Festival de pipas no poliesportivo Jardim das Cerejeiras  27 07 2019
Pais se divertem com os filhos na oficina do Festival de Pipas montada no Poliesportivo do Jardim Cerejeiras - Foto: Charles de Moura/PMSJC

Wagner Matheus
Secretaria de Esporte e Qualidade de Vida

As férias terminaram na rede municipal, mas o 3º Festival Joseense de Pipas ainda está fazendo a alegria de crianças e adultos. Na terça-feira (23), foi a vez da região leste receber novamente o evento, agora no Centro Poliesportivo Jardim Cerejeiras. A unidade recebeu mais de 100 pessoas, que se divertiram com as diversas atrações.

Entre 14h e 17h, em uma tarde gostosa de calor em pleno inverno, o local se transformou em uma festa das famílias dos bairros próximos ao Poliesportivo. Com direito a distribuição de pipoca e algodão doce e música animada, os frequentadores tinham várias opções de diversão.

Meninos e meninas justificaram o título do evento e empinaram pipas ao encontro do belo céu azul. Debaixo de uma grande tenda, a oficina de pipas foi motivo de alegria principalmente para adultos que reviveram a arte de fazer pipas que praticavam na infância.

A GCM (Guarda Civil Municipal) também participou do festival com o teatrinho de fantoches do Programa Anjos da Guarda. Falando através dos bonecos, os guardas levaram orientações seguras sobre como empinar pipas e também provocaram muitas risadas com suas brincadeiras.

Esta terceira edição do Festival de Pipas teve programação em seis locais da cidade. O início ocorreu no dia 9, no Campos de São José, na região leste. Em seguida, o evento percorreu o Pinheirinho dos Palmares (11), Eugênio de Melo (16), Altos de Santana (18) e Jardim Cerejeiras (23).

O festival termina nesta quinta-feira (25), no Centro Poliesportivo Campo dos Alemães, na região sul. O evento faz parte da programação oficial de comemoração dos 252 anos de São José dos Campos.

Em segurança

Apesar de reunir pessoas de todas as idades, o Festival de Pipas no Poliesportivo do Jardim Cerejeiras chamou a atenção pelo número de adultos fazendo pipas para os filhos. A organização forneceu varetas, papel, cola e o gabarito para a montagem das pipas e eles entraram com a disposição e a criatividade.

Lidia Silvia Pinto Filgueira, 36 anos, nasceu na região leste e mora no Jardim Castanheiras. Ela disse que tem saudade do tempo em que brincava de pipa com os irmãos e colegas. “Hoje estou relembrando a minha infância, a gente fazia as próprias pipas e depois saía para empinar, era uma grande diversão”, contou.

Hoje, Lidia é mãe de Kaíque, de 2 anos e 8 meses. Por isso, fez questão de levá-lo no festival e, mais do que isso, fez uma pipa para o garoto. “Ele está começando a curtir essas brincadeiras”, disse. Porém, além das pipas, Kaíque se interessou bastante pelo pula-pula, a gangorra e os brinquedos de chão do festival.

A mamãe também demonstrou preocupação em ensinar a brincadeira e dar ênfase à segurança. “Os pais devem ensinar as crianças a brincarem em segurança desde pequenas. Eu, por exemplo, nunca gostei de usar cerol, desde criança sabia que era perigoso”, alertou.

Como antigamente

Animado, fazendo uma pipa para o filho Heitor, de 1 ano e meio, Wagner Rodrigues, 32 anos, morador no bairro Novo Horizonte, também experimentou a sensação de voltar à infância, quando participava desse tipo de brincadeira com os amigos de bairro.

Junto com a esposa Liliane, ele fez questão de ir ao festival para apresentar ao filho diversões do passado que ele julga mais saudáveis. “Estou tentando fazer ele gostar das brincadeiras que eu gostava”, explicou. “Hoje em dia esses brinquedos estão diminuindo porque a molecada está muito ligada nos jogos eletrônicos, mas se depender de mim vou tentar fazer que o Heitor tenha menos celular e videogame e mais brinquedos de antigamente”, afirmou.

O 3º Festival Joseense de Pipas é uma realização da Prefeitura de São José dos Campos por meio da Assessoria de Programas para a Juventude.


MAIS NOTÍCIAS
Secretaria de Esporte e Qualidade de Vida