Casas entregues e contratadas beneficiam 1.650 famílias
Atualizado em 15/07/2019 - 09:12
FAMILIA MIRANTE DO LIMOEIRO 2 - 12-07-2019 - LUCAS CABRAL
Emerson e Débora no novo apartamento: o dinheiro que ia para o aluguel agora é investido no conforto familiar - Foto: Lucas Cabral/PMSJC

Cláudio Ribeiro
Secretaria de Gestão Habitacional e Obras

São José dos Campos ganhou mais 1.650 moradias desde o final do ano passado. Com critérios transparentes, o programa habitacional do município está beneficiando as famílias que mais precisam.

Em dezembro, a Prefeitura entregou 588 apartamentos no Residencial Mirante do Limoeiro 1 e 2, na região oeste da cidade. Outras 240 casas contratadas tiveram as obras iniciadas em novembro e estão em construção no Cajuru 2 (leste).

Ambos os projetos destinam-se a famílias da faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal, com renda mensal até R$ 1.800. A seleção dos contemplados é por meio de sorteio.

Mãe de dois filhos – a adolescente Emanueli e o jovem Wesley –, Regina Helena Totoli é uma das novas moradoras do Mirante do Limoeiro 1, para onde se mudou no começo deste ano. “É muito bom ter a casa da gente. Estou muito feliz em morar aqui e não precisar mais pagar aluguel.”

O síndico do Mirante do Limoeiro 2, Emerson Alexandre China, está muito feliz no novo lar, onde mora com a mulher, Débora, e a filha caçula, Bianca. “Aqui é uma maravilha, uma paz de espírito”, declara o joseense de 48 anos.

Débora lembra que em dois sorteios eles ficaram na suplência, mas a fé e esperança na casa própria nunca foi abandonada. “Quando recebemos o telefonema da Caixa em dezembro, eu até achava que era ilusão. Mas foi uma felicidade imensa quando soube que era para a escolha do bloco e do apartamento.”

Casa Joseense

Também estão sendo beneficiadas 822 pessoas enquadradas no programa Casa Joseense na faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida, com renda familiar de R$ 1.200 a R$ 2.600 por mês e inscrição no cadastro habitacional do município há 4 anos no mínimo. Elas receberam carta de crédito no valor de 10 mil reais e aporte financeiro de R$ 2.500 para o pagamento de imposto, taxas cartoriais e bancárias.

Além disso, os beneficiários podem ter subsídio do Governo Federal no valor até R$ 42.200. Atualmente, integram o Casa Joseense 3 empreendimentos habitacionais, localizados na região leste e sul da cidade.

Na segunda edição do Casa Joseense, realizada no dia 29, mais 1.200 famílias passaram a fazer parte do programa da Prefeitura de São José dos Campos que incentiva a aquisição de moradia popular. Aquelas que foram convocadas e não compareceram ao evento estão sendo atendidas no Paço Municipal.

Quem já pegou a carta de crédito e deu entrada no processo é o casal Gisele e Luís Paulo dos Santos, que mora no Parque Industrial. O subsídio do Casa Joseense foi o incentivo que esperavam para comprar o apartamento no Campo das Flores, empreendimento localizado no Interlagos.

O benefício veio na hora certa. “Como a gente paga aluguel, não teria o valor para dar a entrada e arcar com as prestações iniciais”, diz Luís Paulo.

Moradia para quem mais precisa

Além dos empreendimentos em andamento e dos que estão por vir, o Casa Joseense deve ganhar o reforço de mais 65 unidades habitacionais das duas torres da Argon, no Centro, que foram vendidas à iniciativa privada no dia 1º. Os apartamentos, que serão repassados à Prefeitura, poderão ser incluídos no programa.

A programa habitacional ainda será beneficiado pela Linha Verde, projeto que prevê a criação de um corredor de ônibus ao longo da faixa de 20 quilômetros de extensão pertencente à CTEEP (Companhia Paulista de Transmissão de Energia Elétrica) para interligar as regiões sul, centro e leste. Das áreas remanescentes, 5% serão destinadas à habitação de interesse social, beneficiando quem mais precisa.

Moradias dignas também estão recebendo as famílias do núcleo congelado do Banhado que aderiram ao programa de transferência. Mais de 100 pessoas que saíram voluntariamente da área já foram beneficiadas. Cada núcleo familiar receber R$ 5 mil para deixar o local e demolir o imóvel – R$ 2.300 para mudança e R$ 2.700 para demolição – e auxílio-moradia até R$ 700 por mês.

Os moradores do Banhado incluídos no cadastro realizado em 2014 podem procurar o posto da Prefeitura para obter informações e aderir ao programa. Ele funciona no antigo prédio da Câmara Municipal (estacionamento), no Centro, com atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 16h30.


MAIS NOTÍCIAS
Secretaria de Gestão Habitacional e Obras