Alunos do Decolar participam de lançamento de foguete no MIC
Atualizado em 29/08/2019 - 13:58
Lançamento de foguetes com alunos de astonomia do Decolar no MIC   06 06 2019
O experimento que será realizado na área externa do Museu Interativo de Ciências, localizado na região leste da cidade, é continuidade de uma experiência realizada pelos estudantes no mês de junho - Foto: Charles de Moura/PMSJC

Gisele Lopes
Secretaria de Educação e Cidadania

Nesta sexta-feira (30), professores facilitadores, voluntários e um grupo de alunos de 10 a 13 anos que integram o Programa de Desenvolvimento do Potencial e Talento (Decolar) irão participar de um experimento de lançamento de foguetes confeccionados com garrafa PET.

A atividade SERÁ realizada das 14h às 17h, na área externa do Museu Interativo de Ciências, localizado na região leste da cidade, vai contar ainda com duas palestras, uma sobre conservação de energia e a outra carga útil dos foguetes. O experimento é continuidade de uma experiência realizada pelos estudantes no mês de junho.

De posse dos dados coletados na primeira atividade os alunos removeram ruídos e ajustaram as unidades de medida. Por meio dessa atividade os estudantes compreendem melhor conceitos de física, matemática e tratamento de sinal.

Seguindo o mesmo formato do lançamento dos veículos oficiais em Alcântara, a atividade com alunos e professores voluntários de astronomia, engenharia aeroespacial, robótica e programação vai contar com um especialista de vídeo de alta velocidade do laboratório do Instituto de Aeronáutica e Espaço.

O experimento educacional que será realizado na área externa do Museu Interativo de Ciências (MIC) é parte de um projeto dos alunos do Decolar na operação Águia 3, onde um Foguete de Treinamento Intermediário (FTI) do Comando da Aeronáutica será lançado no Centro de Lançamento de Alcântara no Maranhão.

Foguete de Treinamento Intermediário (FTI)

O FTI da operação Águia 3 que será lançado no fim de outubro, no Centro de Lançamento de Alcântara no Maranhão, vai contar com sensores acoplados em um Arduíno Nano, por meio desse experimento elaborado pelos alunos da rede de ensino municipal de São José será possível monitorar e registrar a aceleração e a rotação do foguete, nos três eixos (x, y e z), além dos campos magnéticos.

Esses valores serão coletados através de sensores acoplados ao Arduíno. Os dados coletados serão encaminhados via telemetria para o centro de controle da operação, onde serão armazenados e posteriormente encaminhados aos alunos para análise.

O experimento dos alunos, apelidado de missão SANJ-A (Sistema de Aquisição de dados de Navegação Joseense - A), envolve os estudantes em todas as etapas de uma missão espacial, desde planejamento, projeto, testes e operação.

“Os alunos do Programa Decolar estão realizando algo inédito no país, ao desenvolverem uma caixa, onde o Arduíno e sua bateria serão armazenados no Foguete, totalmente fabricada por uma impressora 3D e submetida aos rigorosos testes de qualificação para voo em Foguete, explicou Felipe Jean da Costa, professor voluntário na área de engenharia aeroespacial.

Talentosos da rede municipal

Um grupo de 150 alunos do 6º e 7º ano do ensino fundamental, de 43 escolas municipais de São José dos Campos, são atendidos pelo Decolar, Programa de Desenvolvimento do Potencial e Talento.

Durante os encontros, ocorridos no contraturno das aulas, em locais próximo à escola de origem e no Museu Interativo de Ciências na região leste, os alunos participam de intervenções educativas nas áreas de astronomia, inglês, espanhol, histórias, biologia, química, japonês, culinária, robótica, matemática, pintura em tela, engenharia espacial, arquitetura, teatro, circo, dança, mandarim, música entre outras.

O programa que visa identificar, acompanhar e estimular o desenvolvimento do potencial dos alunos considerados dotados e talentosos da rede municipal, oferece 56 atividades.

A equipe que compõe o Programa Decolar passa por diversas formações. São palestras, cursos e seminários. Além do time de professores facilitadores da rede municipal o Decolar conta ainda com 59 voluntários.

Para fazer parte do Decolar, os estudantes com capacidade elevada são observados pelos professores da rede durante quatro anos (2º, 3º,4º e 5º anos). Após esse período, passam por uma análise de dados e observação pela equipe de especialistas do programa.

Pesquisas apontam que 3% da população é dotada de capacidade elevada. A estimativa é que, em quatro anos, cerca de 500 alunos da rede de ensino municipal sejam atendidos pelo Decolar.

Metodologia

O programa se baseia na Metodologia Cedet (Caminhos para Desenvolver o Potencial e Talento), desenvolvida pela PhD Zenita Guenther, cujo trabalho é realizado há mais de 25 anos pelo Centro de Desenvolvimento do Potencial e Talento de Lavras (MG). A educadora pesquisa o assunto há mais de 40 anos e tem trabalhos e pesquisas reconhecidos nacional e internacionalmente.


MAIS NOTÍCIAS
Secretaria de Educação e Cidadania