Livro ‘Martim Cererê’, de Cassiano Ricardo, completa 90 anos
Atualizado em 24/10/2018 - 16:18
Fundação Cultural Cassiano Ricardo
Arte com frase de poesia do livro 'Martim Cererê', de Cassiano Ricardo, e logotipo do evento - Arte: FCCR - Foto: PMSJC

Avelino Israel
Fundação Cultural Cassiano Ricardo

“Eu não me lembro de ter sido criança um dia apenas. Desde que me conheço sou assim: nunca tive começo nem fim”. O trecho é do poema ‘O Carão’, do livro Martim Cererê, do escritor e poeta joseense Cassiano Ricardo, que neste ano completa 90 anos de lançamento e está sendo lembrado na 52° Semana Cassiano Ricardo, realizada pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo de 20 a 27 de outubro.

A obra pode ser encontrada na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo, no centro da cidade, onde estão disponíveis sete exemplares, de quatro edições diferentes, que estão disponíveis para leitura e empréstimo, mediante cadastro. No Arquivo Público do Município (no Parque da Cidade) também é possível encontrar nove exemplares do livro, incluindo uma versão em espanhol, mas que só podem ser lidas no local.

Primeira edição

Neste livro, Cassiano descreve a formação do povo brasileiro e a saga na constituição do território nacional. Foram poemas reescritos pelo poeta assim que saiu da escola parnasiana. A primeira edição, já com os poemas atuais, foi publicada em 1928, mas foram reescritos várias vezes. Esse é o livro considerado épico, pois conta a história da formação do Brasil.

Segundo o jornalista Júlio Ottoboni, que estuda o poeta Cassiano Ricardo desde os anos 80, ‘Martim Cererê’ é um dos maiores clássicos do modernismo nacional e o principal livro de Cassiano Ricardo, tanto que é editado até hoje. “Também se tornou em marco em 1932, na revolução constitucionalista, quando seus versos eram lidos nas rádios, comícios e discursos em praça pública em São Paulo, exaltando os feitos paulistas”, completou Ottoboni.

Reconhecimento 

No Carnaval de 1972 o tema da escola de samba Imperatriz Leopoldinense foi inspirado na obra de Cassiano Ricardo. O samba, composto por Zé Katimba e Gibi, repercutiu além da avenida. Foi trilha sonora da novela ‘Bandeira 2’ da Rede Globo e ganhou muitas regravações. Com ele, a escola de samba atingiu o 4º lugar, atrás apenas do Império Serrano, Mangueira e Portela e à frente do Salgueiro, as quatro grandes da época.

A letra do samba ‘Martim Cererê’ tem como tema principal a mistura heterogênea de raças no Brasil exaltando o povo brasileiro. A temática retrata o livro do modernista Cassiano Ricardo, onde, nesse poema nacionalista, o índio, o negro e o branco tomam posse e inventam um novo Brasil.

 

Biblioteca Pública Cassiano Ricardo

Rua XV de Novembro, 99 – Centro

(12) 3921-6330

 

Arquivo Público do Município

Avenida Olivo Gomes, 100 – Parque da Cidade – Santana

(12) 3924-7300


MAIS NOTÍCIAS
Fundação Cultural Cassiano Ricardo