Concerto didático para alunos da Fundhas reforça importância do ensino de música
Atualizado em 07/12/2018 - 18:20
Apresentação do Luzes da Ribalta na Fundhas do  Putim 06 12 2018
As unidades da Fundhas receberam os espetáculos em parceria com a orquestra Luzes da Ribalta - Foto: Charles de Moura/PMSJC

Paula Pessoa
Fundhas

A sala multiuso da Unidade Embraer da Fundhas (Fundação Hélio Augusto de Souza), no Putim, foi sendo ocupada aos poucos por crianças, adolescentes e profissionais dispostos a apreciar um concerto didático com a Orquestra Luzes da Ribalta na quinta-feira (6). Mais do que a admiração, presente nas expressões dos alunos, o evento contou com a interação entre os músicos e o público, que marcava ritmos com as palmas, reconhecia canções e levantava para aplaudir.

“A música transforma vidas”, disse a professora Carolina Souza, há 13 anos na Fundhas e mais de 30 como musicista e cantora. Ela destacou os benefícios que os concertos didáticos e o trabalho pedagógico traz para crianças e adolescentes. “A vinda da orquestra aqui contribui para mostrar que a música não é só para diversão. É muito mais. Podemos trabalhar português, matemática, história, sentimentos e expressões corporais através dela. É bom desconstruir uma distância ou visão errada sobre a música erudita e apresentar coisas novas e diferentes aos alunos. Tudo que é diferente desperta o interesse deles.”

Natália Reis Dias de Araújo, de 13 anos, era uma das mais interessadas. “Sentei mais perto porque quis observar bem a orquestra e ouvir os instrumentos. Estou aprendendo a tocar bateria e tenho interesse em conhecer outros. Para mim, a música ensina, nos anima e deixa bem.”

Durante o ano, quatro apresentações foram programadas em parceria com o Luzes da Ribalta a fim de promover o enriquecimento cultural e artístico de alunos, educadores e funcionários. Os eventos promovem a troca de saberes culturais.

No repertório do concerto, canções populares brasileiras e sucessos internacionais são executados em meio a peças eruditas. Isaac de Moura Nogueira, de 11 anos, gosta mesmo é de ouvir moda de viola e sertanejo universitário. Mas se emocionou com notas, acordes e todo o ritmo do Ribalta. “Foi muito bacana ouvir a orquestra. Me deu uma sensação boa, de muita emoção.”

Estudar as manifestações artísticas contribui diretamente no desenvolvimento de habilidades de interação, percepção e expressão dos alunos e treinar a sensibilidade para as formas diversas de arte é uma das propostas pedagógicas da Fundhas. No eixo de arte e cultura, a instituição, mantida pela Prefeitura há 31 anos, possibilita a crianças e adolescentes experiências com representações artísticas diversas, como música, dança, pintura e teatro.


MAIS NOTÍCIAS
Fundhas