Ações preventivas são ampliadas com aplicação de carrapaticida
Atualizado em 30/08/2018 - 18:46
Limpeza no Conjunto Boa Vista  30 08 2018
Uma equipe realizou o trabalho de roçada e limpeza no Conjunto Residencial Caminho das Montanhas - Foto: Divulgação

Nei José Sant' Anna
Secretaria de Saúde

A Prefeitura de São José dos Campos mantém nesta sexta-feira (31) as ações de prevenção e orientação à população sobre a febre maculosa. Uma equipe estará pela manhã no Conjunto Residencial Boa Vista, na região norte, realizando a aplicação de carrapaticida em áreas de mata próximas às residências, a exemplo do que já foi feito no Parque da Cidade, na terça-feira (28).

Além da pulverização, as equipes de manutenção e do Centro de Controle de Zoonoses estiveram no local nesta quinta-feira (30), realizando trabalho de roçada, limpeza e distribuindo material educativo. Uma menina de 5 anos, moradora do conjunto habitacional, veio a óbito na quarta-feira (29). A Saúde investiga leptospirose, dengue, febre amarela e febre maculosa. O resultado dos exames que vão atestar a causa da morte ainda não foi divulgado pelo Instituto Adolfo Lutz.

No Parque da Cidade, a Prefeitura instalou banners com orientações sobre os cuidados que os frequentadores devem tomar em relação aos carrapatos. Também foi feita análise acarológica nas áreas próximas ao lago.

A pesquisa vai permitir conhecer qual é a espécie de carrapato e se há exemplares contaminados com a bactéria que causa a febre maculosa. O material foi encaminhado para análise da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), que vai indicar se estão infectadas ou não. O resultado ainda não foi divulgado.

São José registrou 5 casos da doença. Quatro pessoas morreram: três moradores da cidade e um de Lavrinhas, que foi atendido no Hospital Municipal. A quinta vítima está internada no hospital, em recuperação. O sexto caso, da menina que veio a óbito na quarta-feira, ainda é tratado como suspeito.

Orientações

Além das ações junto à população, a Prefeitura distribuiu nesta semana para todos os serviços públicos e privados de saúde um informe técnico sobre a febre maculosa. O material vem para auxiliar os médicos e demais profissionais da área sobre os cuidados que devem ter com a doença.

Outra recomendação é que o doente, ou o responsável, informe ao médico se teve contato com carrapato nos dias anteriores ao aparecimento dos primeiros sintomas. Esse relato é importante porque a febre maculosa apresenta quadro clínico semelhante ao de outras doenças virais e bacterianas, como leptospirose, febre tifoide, febre amarela, dengue. A informação correta ajuda na confirmação do diagnóstico.

Febre maculosa

A doença não é transmitida de pessoa para pessoa. A febre maculosa brasileira é adquirida pela picada do carrapato infectado com Rickettsia e a transmissão, geralmente, ocorre quando esse carrapato permanece ou esteve aderido ao hospedeiro por um período de 4 a 6 horas.

O hospedeiro mais comum é a capivara. Por isso, é importante evitar o contato direto com elas. Não é só esse roedor que abriga o carrapato. Animais de grande porte, como cavalos, também podem representar riscos.

O diagnóstico e início imediato do tratamento são essenciais para evitar as formas mais graves da doença e até mesmo a morte. A febre maculosa tem cura.

Após a picada do carrapato, os sintomas começam a aparecer entre 2 e 14 dias (média de 7 dias). 

Os principais sintomas são: dor de cabeça, dor no corpo, febre, calafrio e pontinhos avermelhados nas mãos e nos pés. Nesse caso, procure a unidade de saúde mais próxima e avise o médico se você frequentou parques, matas, florestas, rios, lagos e cachoeiras.

Como se prevenir

  • Use roupas claras e com mangas compridas para facilitar a visualização de carrapatos.
  • Use calças compridas, colocando a parte inferior por dentro de botas, preferencialmente de cano longo e vedadas com fita adesiva de dupla face.
  • Examine o próprio corpo a cada três horas a fim de evitar a presença de carrapatos. Quanto mais rápido eles forem retirados, menor a chance de infecção.
  • Não esmague o carrapato com unhas, pois ele pode liberar bactérias e infectar partes do corpo com lesões.
  • Para retirar o carrapato da pele, use uma pinça.
  • Evite sentar ou deitar em gramados nas atividades de lazer, como caminhada, piquenique e pescaria.

MAIS NOTÍCIAS
Secretaria de Saúde