Projeto Circulação começa neste sábado com as primeiras apresentações
03/08/2018 - 10:34
Fundação Cultural Cassiano Ricardo
A peça ‘Contação de Histórias - Martim Cererê’ será apresentada dia 15 em dois horários na CC Eugênia da Silva - Foto: Divulgação - Foto: PMSJC

Avelino Israel
Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Tem início neste sábado (4) as primeiras apresentações do Projeto Circulação, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, que teve um total de 111 propostas aprovadas. Algumas dessas apresentações estão inseridas em outros dois projetos da instituição: ‘Domingo no Parque’ e ‘Temporada de Teatro’. A programação prossegue até o final do mês.

 

O Projeto Circulação visa valorizar e dar destaque a grupos e trabalhos nas áreas de teatro, dança, música, circo, literatura e artes visuais, levando apresentações para o maior número de locais possíveis, entre casas de cultura, teatros, parques e praças. Todas as atividades são gratuitas e voltadas a todos os públicos. Os projetos aprovados são das áreas de música (51), teatro (32), dança (12), literatura (6), circo e interartes (3 cada uma), artes visuais e cultura popular (com 2 cada).

 

Para Leonardo Garcia, fundador a Cia. Caravan Maschera, a diversidade de temas é algo que agrega valor às apresentações. “Encenamos literatura, filosofia, Shakespeare e falamos da morte para crianças. Acreditamos que nossas pesquisas e espetáculos irão trazer para São José um modo diverso de se relacionar com a cena e com as temáticas tratadas. Nosso teatro é feito com muita atenção e reflexão”.

 

Ana Paula Gonçalves, fundadora do grupo Tricotando Palavras, acredita que percorrer espaços culturais cada vez mais marginalizados na contemporaneidade virtual é de suma importância. “Queremos manter viva as brincadeiras de rua e de quintal, os causos e conversas de cozinha, a interação e o convívio doméstico; coisas que eram privilégios dos tempos de nossas tataravós, bisavós e avós”.

 

Programação de agosto

 

Dia 4, 11h30 – Travessa Chico Luiz: Show Turbilhão das Águas Beto Jaguary

O músico, que tem origem da roça desde os tempos coloniais, se autodenomina ‘caipira’ e é de miscigenagem indígena com o homem branco. Beto Jaguary trouxe para nossa região grande contribuição cultural, é homem simples, inteligente, bravio, sonhador, romântico, poeta e de grande fé. O show tem a proposta de enriquecer ainda mais as páginas da música brasileira.

 

Dia 4, 21h – CET: ‘Amores Por Anexins’ (12 anos) – Ek Produções

A peça narra as desajeitadas investidas de um solteirão e de um oportunista sobre uma viúva. Nesta comédia, o ridículo e o romantismo estão presentes em um enredo que reúne anexins, ditados e provérbios populares.

 

Dia 4, 10h – Praça Afonso Pena: ‘Sertania Nordestina’ (Livre) – Cláudio do Vale

Trata-se de uma espécie de “repente” da vida e obra do grande sanfoneiro, cantador e compositor Luiz Gonzaga. Imagina-se na feira de Caruaru assistindo as improvisações musicais e ‘piadísticas’ (neologismo criado por Gonzagão) de um grupo regional nordestino.

 

Dia 5, 15h – Arena do Parque da Cidade: ‘Cada Um É Um’ (Livre) – No Mundo da Lua

De um espaço imaginário do cotidiano, saem histórias, brincadeiras, músicas, bonecos e desafios.  Com linguagem simples, o espetáculo apresenta-se como se fosse uma caixa de surpresas.

 

Dia 11, 21h – CET: ‘Sonhos Roubados – Um Melodrama Dell’arte’ (12 anos) – Cia Teatro da Cidade

A peça apresenta três histórias com situações que ocorreram na história da cidade, duas ligadas à fase sanatorial, quando o Sanatório Vicentina Aranha era considerado um dos mais importantes do país para o tratamento da tuberculose.

 

Dia 12, 15h – Arena do Parque da Cidade: ‘Yaga – Uma História Para Crianças Corajosas’ (Livre) – Severina Cia de Teatro

A história narra o encontro entre uma menina órfã e uma temida sábia anciã. Munida de coragem e muita imaginação frente aos perigos que irá enfrentar, a garota adentra a floresta misteriosa em busca de algo que a anciã é guardiã.

 

Dia 12, 15h30 – Teatro Municipal: Loja de Brinquedos (Livre) – Trupe do Fuxico

Ao enfatizar a importância do respeito, o espetáculo estabelece uma reflexão junto ao público infanto-juvenil ao discutir de forma lúdica e descontraída sobre os padrões de beleza impostos pela mídia e a beleza encontrada na diversidade. Além dessa abordagem, que é fio condutor da peça, fala-se muito das outras nuances do desenvolvimento infantil que são as brincadeiras e sua importância.

 

Dia 14, 14h – NACD Centro da Juventude: ‘A Árvore Mágica e seu Segredo’ (Livre) – EK Produções

A última árvore de uma espécie rara não dá mais frutos, mas tem vida e sentimentos. Um homem tenta de tudo para derrubá-la, mas o cão e a gatinha, juntamente com a plateia, conseguem conscientizá-lo da preservação do meio ambiente. No final, um segredo é revelado.

 

Dia 15, 10h e 14h – CC Eugênia da Silva: ‘Contação de Histórias - Martim Cererê’ (Livre) – Grupo Tricotando Palavras

Diversas histórias são contadas por meio de cantigas, ritmos e brincadeiras que criam um ambiente prazeroso e de reflexão no momento da contação. São utilizados também recursos cênicos, como adereços customizados e bonecos simbólicos, o que estimulam a imaginação.

 

Dia 16, 20h – Teatro Municipal: Silêncio e Percussão (20h) – Kabé Pinheiro

O músico e pesquisador cultural que trabalha na área há 20 anos já dividiu o palco com grandes artistas, como Jair Rodrigues, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Vanessa Da Mata, Maria Gadú, Ana Carolina, dentre outros. Recentemente, lançou seu primeiro CD intitulado ‘Silêncio e Percussão’, o qual apresenta um repertório com danças e encenações. Já passou por diversos estados brasileiros, além de Portugal, Espanha e Uruguai. O artista dedica-se constantemente aos estudos de bateria e percussão, e é pesquisador das danças brasileiras e seus ritmos.

 

Dia 17, 14h – CC Tim Lopes: ‘Na Beirada do Rio’ (Livre) – Cia Las Cênicas
A peça conta a história de Flora e Fauna, que são seres fantásticos que andam mundo a fora. Quando chegam à beirada do rio, põem-se a contar, cantar e encantar com o que há no imaginário popular. O espetáculo mergulha no folclore do Vale do Paraíba.

 

Dia 18, 21h – CET: ‘Vidas Secas’ (12 anos) – Cia. Caravan Maschera

Inspirada na obra de Graciliano Ramos, a apresentação é sobre uma família pobre da região seca do Nordeste e sua luta diária por comida e trabalho, a fim de sobreviver e superar as dificuldades do ambiente árido em que vive.

Local: Centro de Estudos Teatrais

 

Dia 18, 17h – Praça Cônego Manzi (São Francisco Xavier): Show da Banda Caraná (Livre)

Entre músicas autorais e versões originais a Caraná vai do baião ao samba-bossa com formação clássica de rock sem jamais perder a cadência e, para tanto, suas ferramentas são: os vocais marcantes, a guitarra colorida, o baixo estiloso e a bateria visceral. Composta por seis amigos, desde de 2015 vem experimentando, compondo, misturando e agregando novas influências ao seu som.

 

Dia 18, 19h30 – Praça Cônego Manzi (São Francisco Xavier):  Show da banda Sianinhas (Livre)           

A primeira banda feminina de São Luiz do Paraitinga apresenta um repertório de sonoridade variada, que vai desde composições próprias, passando pelas de compositores locais e de domínio público, até canções da cultura popular que arrematam essa mistura de cantos, melodias e ritmos brasileiros. O grupo é formado por Adriana O Sales (percussão e voz), Daiane Cristina (percussão), Darly Gonçalves (sopros, violão e voz), Esther Fietz (contrabaixo e voz), Mara Rúbia Almeida (percussão e voz) Maria Clara Menecucci (percussão) e Patrícia Guimarães (cordas e voz).

 

Dia 19, 15h – Arena do Parque da Cidade: ‘Tiringuito, Luisa e a Morte’ (Livre) – Cia. Caravan Maschera

Apresentação com bonecos de luva. Tiringuito é um herói improvável de um mundo surreal. Sua coragem ao enfrentar a Morte e, sobretudo, sua audácia em desobedecer a ordem de morrer, transforma o seu medo em brincadeira.

 

Dia 19, 15h – Praça Cônego Manzi (São Francisco Xavier): Fulores – Uma intervenção poética musical (Livre) – Fulores

O grupo propõe intervenção poética musical. A intervenção surgiu quando três atrizes cantoras uniram suas vozes para abordar o universo da delicadeza e das pequenezas sutis que podem e devem virar poesia. O grupo conta com composições autorais e canções de parceiros de referência. O repertório é traçado como uma delicada trama de fios onde cada uma delas se entrelaça como uma peça de tapeçaria. O grupo é formado por Eva Sielawa, Izildinha Costa e Karina Müller, acompanhadas do sanfoneiro Kardec Gonzaga.

 

Dia 20, 9h – CC Lili Figureira: ‘A História do Boi Encantado’ (Livre) – Cia Griot
A história é sobre uma mulher grávida que, com o desejo de comer um boi encantado, corre o risco de perder o bebê caso não seja satisfeita.

 

Dia 21, 10h30 e 13h – CC Lili Figureira: ‘A Briga da Onça e do Tatu’ (Livre) – Grupo Janela Mágica

Por causa dos recados atrapalhados de um papagaio, surge uma briga entre uma onça e um tatu, em um tempo em que os animais falavam a nossa língua.

 

Dia 22, 14h30: ‘Andanças Passarinheiras’ – CC Chico Triste (Livre) – Grupo Passarinheiros    

Espetáculo lítero-musical em que duas atrizes e contadoras de histórias, acompanhadas por músicos, contam, cantam e interpretam de forma lúdica, histórias e canções que um passarinho trouxe de suas andanças pelos campos e cidades.

           
Dia 24, 9h e 14h – CC Chico Triste: ‘Histórias Para Adoçar Corações’ (Livre) – Cia Griot

Utilizando-se da linguagem do teatro popular, com música, dança e participação direta do público, o grupo vem contar duas histórias da tradição popular. Uma de origem indígena, ‘A Lenda da Mandioca’, e outra de origem africana, ‘A Lenda do Tambor Africano’.

 

Dia 25, 16 – Praça Ulisses Guimarães: “Uma viagem ao centenário de Música Moderna’ (Livre) – Paola Dom e Marcos Manfredini      
Em um formato intimista, o show tem muitas emoções por meio de uma viagem musical em que música boa é bem-vinda.

 

Dia 26, 15h – Arena do Parque da Cidade: ‘Eu Não Quero O Mundo Imundo’ (Livre) – Grupo Ziriguidum

Inspirado na obra de Umberto Eco, Gnomos de Gnu, o grupo conta a história como um convite à reflexão sobre a forma como vivemos atualmente e as necessidades de mudanças em nossas atitudes para uma vida mais saudável e feliz.

 

Dia 27, 19h – CC Lili Figureira: ‘Um Grito no Vale - Contos Assombrados’ (Livre) – Roberval Rodolfo

Narração de contos do livro ‘Um Grito no Vale – Contos Assombrados’, que são as memórias transmitidas por meio de gerações testemunhando como homens e mulheres de tempos imemoriais lidavam com tabus como a moralidade, a promessa, a fé, o crime, Deus e o diabo.

 

Endereços

 

Arena do Parque da Cidade 

Av. Olivo Gomes, 100 – Santana

(12) 3924-7300

Casa de Cultura Chico Triste    

Rua Milton Cruz, s/nº – Vila Tesouro     

3929-7559

Casa de Cultura Lili Figureira

Rua Roberto Cruz, 40 – Jardim Santo Onofre

(12) 3942-1005

Centro de Estudos Teatrais (CET)

Av. Olivo Gomes, 100 – Parque da Cidade – Santana

(12) 3924-7300 / 7341

NACD – Centro da Juventude

Aurora Pinto da Cunha, 131 – Jardim América

(12) 3932-8709

MAIS NOTÍCIAS
Fundação Cultural Cassiano Ricardo